Skiplagging: economize na passagem aérea com essa estratégia

skiplagging
skiplagging

Dentro do planejamento de uma viagem a passagem aérea é um dos itens mais caros. Assim, quem deseja economizar precisa dedicar algumas horas para pesquisar os bilhetes nos principais canais de venda. No entanto, algumas estratégias como a do skiplagging prometem voos mais baratos. 

O skiplagging é uma estratégia praticada por viajantes experientes. Entretanto, com um pouco de conhecimento você também pode utilizar essa tática para poder viajar mais, pagando pouco. Assim, neste post vamos explicar tudo sobre essa técnica, como ela funciona, como aplicar e quais os riscos envolvidos.

Quer conhecer um novo jeito de viajar barato? Então continue lendo e confira os prós e contras de fazer skiplagging.

O que é skiplagging?

O skiplagging é uma técnica utilizada por viajantes para conseguir passagens mais baratas. Geralmente, a estratégia é indicada para trechos cujo os preços comercializados pelas operadoras aéreas são mais salgados. Ela funciona assim, você quer viajar do ponto “A” para o ponto “B”. 

Mas, comprar uma passagem com origem no ponto “A” e destino no ponto “B” é muito caro. Entretanto, você descobriu que é mais barato adquirir um bilhete do ponto “A” com destino ao ponto “C” e escala no ponto “B”. E é aí que entra o skiplagging.

Como funciona o skiplagging
Como funciona o skiplagging

Ao invés de concluir a viagem do ponto “A” ao ponto “C”, você desembarcaria durante a escala no ponto “B”, que é para onde você queria ir desde o começo. Para ficar ainda mais claro a gente vai dar um exemplo prático. Imagine que você queira ir para Bogotá saindo de São Paulo no dia 11/01/2021. Contudo, apenas o trecho de ida custa R$ 3.332,00. 

Mas, fazendo algumas pesquisas, você encontrou um voo para Punta Cana com escala em Bogotá que custa R$ 2.581,00. Assim, ao invés de comprar o bilhete mais caro, você optou por comprar a passagem para Punta Cana e desembarcar na conexão. Em outras palavras, você fez um skiplagging. 

Por que em alguns casos é mais barato fazer skiplagging?

Como sabemos, o preço das passagens aéreas é definido de acordo com a oferta e demanda, concorrência entre as companhias, além de períodos de alta e baixa temporada nos locais de origem e destino. Por esse motivo, em alguns casos, trechos mais curtos acabam custando mais caro do que comprar uma passagem com escala. 

O preço das passagens aéreas são dinâmicos e levam em conta vários fatores além da distância
O preço das passagens aéreas são dinâmicos e levam em conta vários fatores além da distância

Um bom exemplo é o trecho São Paulo/Brasília. Essa viagem costuma ser mais cara, pois durante a semana muitos empresários e pessoas do meio político realizam essa rota. Entretanto, o trecho São Paulo/Manaus é geralmente mais barato por conta da baixa procura e também pela característica dos viajantes. Em sua maioria são turistas ou pessoas de classe média.

Assim, embora a ordem normal seja concluir a viagem. O skiplagging acaba servindo de recurso para pessoas que pretendem economizar. Ou seja, alguns viajantes aproveitam a brecha encontrada no sistema de precificação dos bilhetes para conseguir pagar menos pela passagem aérea.

Skiplagging é ilegal?

Não existe nenhuma lei que condene a prática de skiplagging
Não existe nenhuma lei que condene a prática de skiplagging

Não existe uma lei específica que incida sobre skiplagging. Ou seja, não é proibido descer em uma das escalas e não chegar ao destino final. No entanto, podem haver discordâncias com relação à prática do ponto de vista das companhias aéreas. O que lhe trará dores de cabeça caso você seja pego.

Inclusive, a situação pode chegar à justiça. Um caso que ficou bem conhecido foi o da Lufthansa. No ano de 2019 a empresa entrou com um processo contra um passageiro que realizou a prática. Na ação, a companhia exigiu o pagamento de indenização de cerca de US$2.000,00. Apesar do processo judicial, neste caso, a empresa perdeu a ação em primeira instância.

Confira outras dicas para economizar na viagem

Como o skiplagging funciona na prática?

Embora pareça simples, fazer um skiplagging exige pesquisa e coragem. Geralmente, a prática é vantajosa quando o viajante chega à conclusão de que desembarcar na escala é mais barato do que comprar um voo para o destino desejado. Assim, a primeira coisa que você deve fazer é uma busca de preços. 

Hoje, existem várias plataformas que fazem pesquisa em várias companhias ao mesmo tempo. Algumas delas inclusive indicam se é melhor comprar os bilhetes com milhas ou em reais. Nesse sentido, o portal Skiplagged ajuda quem está na busca dos melhores preços. O site promete mostrar aos viajantes as ineficiências de precificação das companhias aéreas, assim como as melhores ofertas. 

O site Skiplagged ajuda a encontrar passagens baratas
O site Skiplagged ajuda a encontrar passagens baratas

Dessa forma, depois de encontrar um bilhete com conexão no seu destino, o próximo passo é se preparar para a viagem. A partir daí não tem muito segredo. No momento da escala, ao invés de seguir no voo, você deverá estar preparado para desembarcar.  

Quais os riscos de fazer skiplagging?

Embora não seja ilegal, ao praticar o skiplagging estamos de certa forma burlando as regras estabelecidas pelas companhias aéreas. E por esse motivo, quando aplicamos essa estratégia essas empresas acabam tendo prejuízo. E você já deve imaginar que elas não gostam nem um pouco de perder dinheiro, não é mesmo? 

Assim, as companhias criaram alguns mecanismos de defesa para evitar que os passageiros realizem o skiplagging. Por isso, antes de sair se aventurando, é bom considerar os possíveis riscos dessa estratégia. A seguir nós separamos os principais deles, confira. 

Cuidado com as malas

Ao praticar skiplagging tenha cuidado com as malas. A técnica não funciona quando você despacha bagagem. Pois, muitas vezes a mala vai direto para o destino final e não pode ser retirada durante a conexão. Assim, o passageiro deve viajar apenas com mala de mão, para evitar possíveis dores de cabeça. Afinal, você não quer ficar sem todos os seus pertences durante uma viagem.

Em voos com conexão as malas só são entregues na última parada
Em voos com conexão as malas só são entregues na última parada

Além disso, se você fizer skiplagging pode esquecer tentar recuperar a mala despachada. Lembre-se que você desembarcou antes do previsto. Assim, para reaver a sua bagagem vai precisar explicar à companhia aérea por que fez isso. E não precisa ser nenhum gênio para saber que a empresa vai fazer você pagar por todo esse transtorno. 

Veja outros conteúdos que podem interessar

O barato que sai caro

Caso você seja pego é possível que a companhia aérea obrigue você a comprar uma nova passagem no aeroporto. Em outras palavras, é como se você tivesse que adquirir um bilhete com origem e destino no aeroporto em que fez o skiplagging. Ou seja, um gasto que vai pesar no bolso de quem quer economizar.

Se for declarado o não cumprimento das políticas da empresa aérea, é possível que isto resulte em processo judicial, podendo conter altas multas e indenizações. Se você for um passageiro frequente, com plano de fidelidade e milhas a empresa pode cancelar sua adesão. Assim, você vai parar em uma lista de banidos do programa. 

Se você for pego praticando skiplagging pode ter que pagar multa
Se você for pego praticando skiplagging pode ter que pagar multa

Por fim, a companhia aérea também pode cobrar uma taxa de no-show. Acontece que, como você não realizou o último trecho da viagem, para empresa, é como se você não tivesse comparecido. Nesse sentido, elas podem cobrar uma tarifa, visto que deixaram de vender aquele assento para o trecho. 

Assim, uma boa dica para evitar essas sanções é não realizar a compra na conta principal. Isto é, com o seu login do programa de fidelidade. Pois, nesses casos, o risco de ser banido é maior, o que pode não ter um custo benefício agradável com relação à economia na compra de passagens.

Voo de volta cancelado

Se você pretende fazer o skiplagging atente-se para comprar as passagens de ida e volta separadamente. Por regra, quando um passageiro não comparece para a viagem de ida, automaticamente é cancelado o voo de volta. Pois, a companhia entende que você não estará no destino no dia de retorno. 

Voo cancelado é um dos riscos do skiplagging
Voo cancelado é um dos riscos do skiplagging

Assim, quando as empresas constatam que o passageiro praticou o skiplagging o entendimento é o mesmo. Além disso, é uma forma de punir o viajante. Por isso, você deve comprar os bilhetes separadamente e, de preferência, em companhias distintas. Dessa forma, você não corre o risco de ser descoberto e ter o próximo voo cancelado. 

Apesar dos riscos, não há dúvidas de que o skiplagging tem vantagens para quem busca economizar na hora de viajar. Se você é um passageiro experiente em busca de trechos mais baratos ou apenas um aventureiro à procura de uma nova forma de realizar suas viagens, esta prática pode ser uma boa alternativa.

Por outro lado, é sempre bom tomar os devidos cuidados e contar com a ajuda de viajantes profissionais. Assim, a Bíblia das Milhas e Pontos é um conteúdo completo para quem quer aprender tudo sobre os principais programas de fidelidade do Brasil e do mundo, bem como estratégias para viajar mais pagando muito menos. 

Nesse e-book, Leandro Cardoso conta todas as estratégias que o ajudaram a se tornar uma das maiores autoridades sobre o assunto. Você vai descobrir como acumular milhas mais rapidamente, de que maneira lucrar com esses benefícios e claro viajar mais. Então, se você quer aprender tudo sobre esse universo, clique no banner abaixo e conheça a Bíblia das Milhas e Pontos