Certificado Internacional de Vacinação: o que é, para que serve e com fazer o seu

Veja como emitir o Certificado Internacional de Vacinação

Uma das partes mais burocráticas de uma viagem é organizar todos os documentos. Dependendo do destino escolhido a sua lista pode ser bem grande, desde passaporte, visto até Certificado Internacional de Vacinação. Este último é um comprovante relativamente simples, mas ainda deixa muita gente em dúvida. 

Assim, se você está com viagem marcada para o exterior e não sabe como fazer para emitir o Certificado Internacional da Vacinação, está no lugar certo! Pois, neste post vamos ensinar o passo a passo do que fazer para solicitar esse documento e quando ele é realmente necessário. Além disso, vamos esclarecer as principais dúvidas sobre o assunto. 

Quer saber tudo sobre o Certificado Internacional de Vacinação? Então, venha com a gente! 

O que é o Certificado Internacional de Vacinação? 

Em alguns países, doenças como febre amarela já foram erradicadas há algum tempo. Por isso, essas nações trabalham para evitar que esse tipo de enfermidade retorne através de estrangeiros. Assim, para garantir que pessoas de outros países não apresentam risco de contaminação, deve-se apresentar documentos que comprovem a imunização do indivíduo. 

Nesse sentido, o Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia funciona como a nossa tradicional carteirinha de vacinas. Ou seja, ele serve para comprovar que o viajante está imunizado contra a febre amarela e outras doenças. Assim, nesse documento, constam as informações sobre a data da imunização, a marca do imunizante e outros dados. 

Quais países exigem a apresentação deste documento? 

O Certificado Internacional de Vacinação é um documento cuja exigência está prevista no Regulamento Sanitário Internacional. Entretanto, nem todo país impõe a apresentação deste comprovante. Assim, para ter certeza de que você precisa emitir o CIVP é importante consultar a lista disponível na página da Anvisa. 

Países da Europa e Ásia exigem o Certificado Internacional de Vacinação
Países da Europa e Ásia exigem o Certificado Internacional de Vacinação

Em geral, países da Europa, que fazem parte do tratado de Schengen, nações da América Central e Sul, China e Tailândia são alguns dos lugares em que obrigatoriamente deve apresentar esse documento. Entretanto, a nossa dica é que você tenha o CIVP em mãos em qualquer viagem, pois é uma forma de prevenção. 

Como emitir o Certificado Internacional de Vacinação? 

O Certificado Internacional de Vacinação é um documento que deve ser emitido por brasileiros e estrangeiros vacinados no Brasil. Dessa forma, a imunização deve acontecer em até 10 dias antes da viagem e é obrigatória para crianças a partir dos 9 meses de idade. Até pouco tempo atrás a expedição só era possível o CIVP em um Centro de Orientação para a Saúde do Viajante ou locais autorizados. 

Hoje, é possível fazer todo o processo pela internet e de forma gratuita. Assim, talvez a parte mais difícil seja mesmo encarar a seringa. Brincadeiras à parte, elaboramos aqui um passo a passo bem detalhado de como emitir o seu Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia. Confira. 

Confira o passo a passo para solicitar o CIVP.png
Confira o passo a passo para solicitar o CIVP.png

1º passo: imunização

A primeira etapa para emitir o seu Certificado Internacional de Vacinação é tomar a vacina contra a febre amarela. Esse imunizante é distribuído gratuitamente pelo governo brasileiro. O passo número um é procurar uma unidade básica de saúde (posto do SUS). Chegando lá, solicite a dose integral da vacina. 

Tomar a vacina em dose integral da febre amarela é primordial para emitir o CIVP. Caso o posto de saúde da sua região ou cidade não ofereça o imunizante, a saída é procurar uma clínica privada. Por fim, é muito importante guardar o comprovante de vacinação, pois você vai usá-lo na próxima etapa. 

2º passo: solicitar o Certificado Internacional de Vacinação

Como falamos, todo o processo para emitir o certificado agora é online. Para isso, você acesse o Portal de Serviços do Governo Federal e faça o seu cadastro. Para essa etapa são necessários os seguintes documentos:

  • Carteira de identidade; 
  • CPF;
  • Imagem digitalizada do comprovante de vacinação.

É importante que a imagem do comprovante esteja bem nítida. Dados pessoais como nome e data de nascimento, data da vacinação e lote, assinatura do responsável e carimbo da unidade de saúde devem estar bem legíveis. Essa etapa leva aproximadamente 15 minutos e após preencher todos os campos você receberá um e-mail de confirmação do processo. 

3º passo: imprimir o CIVP

A conclusão do processo leva até 10 dias úteis. Nesse tempo, a Anvisa vai avaliar a sua solicitação e se tudo estiver dentro dos conformes o seu pedido será aprovado. Caso contrário, você terá que fazer um novo requerimento. Nesse caso, pode ser necessário voltar ao posto de saúde e solicitar uma segunda via do comprovante de vacinação. 

Para quem teve o pedido aprovado, o Certificado Internacional de Vacinação vai chegar no e-mail. Assim, basta seguir as orientações para impressão. Já com o CIVP não esqueça de assinar no local indicado. Por fim, o seu documento fica disponível no site do Governo Federal para reimpressão sempre que necessário. 

Emissão presencial do CIVP

Apesar de poder emitir o CIVP pela internet e no conforto de casa, ainda assim, algumas pessoas preferem contar com uma ajuda. Nesse caso o processo é bem semelhante ao que já explicamos. Entretanto, você vai precisar comparecer a uma unidade de emissão do Certificado Internacional de Vacinação. 

Para saber quais são as unidades mais próximas você deve consultar o site do Governo Federal. É importante salientar que desde 28 de setembro de 2020 os postos da Anvisa não realizam mais esse serviço de maneira presencial. Apenas clínicas particulares e postos continuam com esse serviço. 

Assim, se na sua região não houver postos que realizam esse serviço, é provável que tenha que pagar pela vacina em uma clínica particular. Pois, a maioria desses estabelecimentos só emitem o CIVP sob essa condição. Além disso, é importante verificar que alguns locais só realizam esse serviço em dia e horários específicos, logo é necessário agendamento. 

Dessa forma, você deve comparecer ao local marcado com CPF, carteira de identidade ou CNH e cartão de vacina. Assim, após a vacinação o seu CIVP será preenchido e você já sai com ele em mãos. Talvez, essa seja a única vantagem de fazer o processo presencialmente, na nossa opinião. 

Principais dúvidas sobre o CIVP

O processo para solicitar o Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia é bem simples e rápido, não é mesmo? Mas, ainda assim, podem surgir algumas dúvidas para quem está fazendo essa solicitação pela primeira vez. Por isso, selecionamos e respondemos às principais perguntas sobre esse documento. Veja a seguir. 

Dúvidas sobre o CIVP
Dúvidas sobre o CIVP

O Certificado Internacional de Vacinação serve apenas para a febre amarela? 

Não! Como falamos anteriormente, o Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia funciona com a nossa carteira de vacinas tradicional. Acontece que, na maioria dos casos é necessário comprovar a imunização contra a febre amarela. Mas, em países como a Arábia Saudita, Guiné Bissau e Costa do Marfim é necessário comprovar a vacina contra meningite. 

Da mesma forma, países como Síria, Madagascar, Etiópia e Ucrânia exigem a apresentação de vacinação contra poliomielite. Por fim, apesar das exigências de cada nação, para qualquer viajante deve tomar as seguintes vacinas: tríplice viral, tétano, hepatites A e B, antirrábica, febre tifoide. 

Qual a validade deste documento?

A validade da CIVP varia de acordo com dois fatores. O primeiro é a vacina. Desde 2014, a Organização Mundial de Saúde (OMS) reconhece que uma única dose da vacina contra febre amarela é suficiente para imunizar o indivíduo por toda a vida. Assim, desde 2016 o Certificado Internacional de Vacinação é considerado um documento que não expira. 

Entretanto, é importante salientar que o documento escolhido para confecção do CIVP pode interferir na validade do mesmo. Ou seja, se você usou a CHN ou passaporte, que são papéis que têm número modificado a cada renovação, terá que fazer um novo certificado no vencimento desses documentos. Assim, a dica é usar sempre o RG para que a carteira de vacina internacional seja vitalícia. 

Preciso renovar o meu certificado, como faço? 

Como falamos, desde 2016 o CIVP é vitalício, mas quem emitiu esse documento antes dessa data certamente vai precisar renová-lo em algum momento. Felizmente, o processo é bem simples e você não precisa tomar outra vacina, ufa! Assim, para emitir um novo certificado, basta ter o comprovante de quando tomou o imunizante. 

Com essa informação em mãos, basta seguir o processo que explicamos anteriormente e emitir o certificado pela internet. Se você não guardou ou perdeu o comprovante de vacinação, não tem problema. Basta ir ao posto em que tomou a vacina e solicitar a segunda via do comprovante. Simples assim. 

Complicado mesmo vai ser se você não tiver o atestado e não lembrar onde realizou a imunização. Pois, nesse caso, será necessário tomar outra dose da vacina contra a febre amarela. Uma pena para quem tem medo de agulhas.  

Tomei a dose fracionada, posso fazer a CIVP?

Infelizmente, quem toma a dose fracionada da vacina contra a febre amarela não pode emitir o CIVP. Para checar que tipo de vacina, basta conferir o seu cartão de vacinação. Assim, quem tomou a dose fracionada terá que ir a um posto de saúde e solicitar uma nova imunização. Vale destacar que muitos postos não oferecem a vacina em etapa única. 

Não posso tomar a vacina da febre amarela, e agora?

Algumas pessoas não podem tomar a vacina contra febre amarela, seja por alergia a algum componente ou por portar determinados tipos de doença. Por isso, esses indivíduos não conseguem emitir o Certificado Internacional de Vacinação. Mas, calma. Há uma saída. Para esses viajantes a Anvisa disponibiliza um atestado de isenção. 

Esse atestado deve ser preenchido por um médico que comprove a impossibilidade da imunização contra febre amarela. Veja na lista abaixo quais grupos não podem tomar essa vacina:

  • Portadores de HIV e que têm contagem de células CD4 menor que 350;
  • Pessoas em tratamento com quimioterapia/radioterapia;
  • Crianças menores de 9 meses de idade;
  • Pessoas com doença autoimune;
  • Lactantes de crianças menores de 6 meses de idade;
  • Pessoas com alergia grave ao ovo;
  • Indivíduos submetidos a tratamento com imunossupressores.

Certificado de vacinação contra Covid-19

Falando de vacinação, não poderíamos finalizar este post sem falar da pandemia por covid-19. Como sabemos, as fronteiras entre países foram fechadas para evitar que a contaminação se espalhasse. Entretanto, com o início da imunização, muitas nações estudam a reabertura de suas fronteiras.

Qual será a documentação para vacinação contra covid-19

Para isso, uma das medidas adotadas será a apresentação de um comprovante de vacinação contra a covid-19. Esse documento recebeu o nome de Passaporte Sanitário e se trata de um outro certificado, diferente do CIVP e com dados de saúde do viajante e informações sobre as doses do imunizante contra o coronavírus.

O Certificado Internacional de Vacinação é um documento muito importante para quem pretende realizar viagens para o exterior. Neste post, vimos que o passo a passo para emitir esse atestado é muito simples e você pode fazer de casa, sem nenhum custo. Vale lembrar que para viajar é necessário tomar a vacina com no mínimo 10 dias de antecedência.

Curtiu este post? Então confira outras dicas para organizar seus documentos de viagem: