Cartões corporativos da presidência registram maior gasto em 8 anos. Entenda

Cartões corporativos
Cartões corporativos da presidência acumulam R$ 6,2 milhões de gastos em três meses. Foto: EVARISTO SA / AFP

Vamos combinar que o cartão de crédito é uma das melhores invenções do mundo financeiro. Com eles podemos realizar compras com um prazo maior para pagar, além de parcelar esses valores em várias vezes. Da mesma forma, esses produtos oferecem outros benefícios como o acúmulo de pontos e cashback. É uma ferramenta tão boa que o governo federal conta com cartões corporativos para facilitar o pagamento das despesas dos órgãos públicos.

Entretanto, neste ano os gastos acumulados no cartão corporativo da presidência chegaram ao assustador número de R$ 6,2 milhões só no período de janeiro a março. Para se ter uma ideia foram R$ 3,7 milhões a mais comparado com o mesmo intervalo de tempo do ano de 2019. O montante chamou atenção justamente por ter sido o maior já registrado em oito anos. 

O que são os cartões corporativos e como funcionam?

O governo federal elaborou um manual para explicar a função desses plásticos. De acordo com esse documento os cartões corporativos servem para “facilitar o dia-a-dia da administração pública e de seus servidores para pagamento de bens, serviços e despesas autorizadas.” Ainda segundo a publicação a utilização desse produto facilitaria a prestação de contas. 

Assim, estão autorizados a usar os cartões corporativos as “Unidades Gestoras – UG dos órgãos da Administração Pública Federal […] e […] outras entidades integrantes do orçamento fiscal e da seguridade social.” Esses plásticos são emitidos em nome da unidade gestora e com identificação do portador. Isto é, o cartão da presidência leva o nome do presidente. 

Dessa forma, esses produtos são emitidos pelo Banco do Brasil e, além disso são internacionais, não possuem anuidade e nenhum outro tipo de taxa de adesão e manutenção. O limite é definido de acordo verba prevista para despesa em orçamentos públicos. Por fim, os usuários desse cartão têm acesso às salas VIP BB Turismo nos principais aeroportos do país.

Resumindo, é o cartão dos sonhos de qualquer pessoa. Entretanto, eles devem ser usados para cobrir algumas despesas específicas. Segundo o manual são permitidos os seguintes gastos. 

“Aquisição de materiais e contratação de serviços enquadrados como suprimento de fundos; Pagamento às agências de viagem previamente licitadas; Pagamento de diária de viagem a servidor; Outras despesas que venham a ser regulamentadas.”

Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal

Cartão corporativo da presidência

Bem, você já entendeu o conceito dos cartões corporativos e para que eles servem. Porém, é importante ressaltar aqui para que é o usado o cartão da presidência. Basicamente ele serve para as despesas do presidente e seus familiares. Assim, estão incluídos gastos com alimentação, bebidas, recepções no Palácio da Alvorada, bem como a manutenção do imóvel, abastecimento dos veículos oficiais além de viagens nacionais e internacionais. 

O aumento dos gastos com cartões corporativos da presidência

Como vimos os cartões corporativos são um benefício oferecido a diversas unidades da gestão pública. Entretanto, nos últimos dias, especificamente o cartão do presidente Jair Bolsonaro chamou atenção pelo montante gasto em um período de três meses. Outro fator que deixou a população desconfiada foi o fato de esses gastos terem sidos caracterizados como sigilosos.

Assim, os dados foram divulgados pela Secretaria de Administração da Presidência, Gabinete de Segurança Institucional e pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin). Embora o valor tenha sido bastante alto a secretaria Geral da Presidência informou que os gastos com as despesas de moradia presidencial foram menores do que nos anos anteriores.

Segundo matéria veiculada no portal de notícias G1 no dia 12 de maio 2020 de o aumento dos gastos seriam justificados pela despesa de repatriação de brasileiros. Segundo o presidente, os três aviões enviados para Wuhan, na China, foram pagos com o cartão corporativo da presidência e custou R$ 740 mil. 

Contudo, em uma simples operação matemática de subtração o valor com outros gastos totalizam uma soma de pouco mais de R$ 5,4 milhões. Só para exemplificar de 2013 até 2020 o maior valor registrado foi no governo de Dilma Rousseff no ano de 2014 com um montante de R$ 4,7 milhões no mesmo período, ou seja, de janeiro a março. 

Como relação a esses outros gastos, embora a rede de televisão Globo tivesse entrado em contato para mais esclarecimentos, o governo não deu detalhes e disse que a divulgação dessas informações colocaria o presidente e seus familiares em risco. Entretanto, cabe ressaltar que o próprio presidente, Jair Bolsonaro, deu declarações de que os gastos do governo seriam divulgados publicamente.

O que você acha dessa notícia? Deixe o seu comentário. Até mais!